Abrantes: Feira de Doçaria começou há 20 anos (C/ÁUDIO)

5/10/2022 às 12:55
Feira Doçaria 2003 (Créditos:TAGUS)

Foi em 2002 que a TAGUS avançou com a primeira edição de uma Feira de Doçaria que tinha como objetivo promover os doces típicos de Abrantes e, num fim de se-mana, juntá-los a outros, igualmente tradicionais e com história, mas de outros pon-tos do país.

Em 2002 arranca esta feira inserida num programa denominado Tagus’toso e com apoio do LEADER+, programa de apoio comunitário. A 1.ª Feira Nacional de Doçaria Tradicional, realizada em parceria com a Câmara Municipal de Abrantes, realizou-se em junho, no Jardim do Castelo.

No ano seguinte, 2003, a segunda edição contou com a presença de 28 doceiros de norte a sul do país e, para além da doçaria tradicional, o evento tem a presença de produtores de compotas, mel e bebidas licorosas.

Corria o ano de 2005 e, por motivos logísticos a 4.ª Feira de Doçaria foi transferida para o Parque Urbano de S. Lourenço, ainda em junho. Neste ano foram introduzidas algumas novidades ligadas à valorização e promoção da doçaria tradicional de Abrantes – Palha de Abrantes, tigeladas, broas de noz e mel, entre outros. A TAGUS dava a conhecer a história e o processo de fabrico da Palha de Abrantes.

A 5.ª edição da Feira Nacional de Doçaria Tradicional de Abrantes representa a grande mudança. Muda de data e novamente de localização. O evento passa a anteceder o Dia de Todos os Santos e a tradição do “Pedir os Bolinhos ou Pão por Deus”. E com a mudança de data, a Feira passa para a antiga garagem da Rodoviária os dos Claras, hoje Unidade de Saúde Familiar D. Francisco Almeida. Esta edição contou com cerca de 5 mil visitantes nos três dias.

Foi ainda em 2005 que foi feito o lançamento da banda desenhada do Palhinhas, a história da Palha de Abrantes, cujas ilustrações foram feitas pelo arquiteto Ricardo Cabrita.

Em 2010 foi confecionada a maior Palha de Abrantes do país, preparada pelo doceiro Manuel Correia, que utilizou 720 ovos na confeção deste doce conventual. Mas se a inauguração teve esta “Palha gigante”, o dia 31 de outubro de 2010 teve a exibição uma Palha ainda maior, com cerca de um metro de diâmetro.

Dois anos depois, em 2012,a organização (TAGUS e Câmara Municipal de Abrantes) homenageou 5 doceiras do concelho atribuindo-lhes um diploma de Mestres Doceiras. Foi neste ano que se realizou pela primeira vez um percurso em BTT “Na rota da Palha de Abrantes”, que reuniu aproximadamente 80 praticantes da modalidade e que se mantém até ao presente.

A 14.ª Feira Nacional de Doçaria Tradicional teve mais de 5 mil pessoas a passar na nova localização, no antigo Mercado Municipal de Abrantes em 2015.

2017 a Feira de Doçaria volta a mudar de local, passando a realizar-se ao ar livre, no Jardim da República.

E é em 2019 que este evento mudou novamente de “poiso”. Passou para a Esplanada 1.º de Maio, dentro de uma tenda gigante.

Em 2020, por causa da pandemia, a Feira de Doçaria, não se realizou fisicamente, mas teve algumas iniciativas virtuais.

No ano passado, 2021, foi retomado o evento com algumas normas de segurança emanadas pela Direção-Geral de Saúde. O resultado foi mais uma edição com bastante afluência de pessoas, apesar das contingências sanitárias. Os doceiros esgotaram o produto e foi contabilizada a venda de mais de 10 mil doses de Palha de Abrantes nos três dias do evento.

À época, 2002, Pedro Saraiva era o técnico coordenador da Tagus e esteve no lançamento deste evento, que foi um desafio para potenciar os produtos endógenos da região. “Tínhamos a Palha de Abrantes, as Tigeladas, as Broas, licores e compotas e tentámos criar um evento para promover estes nossos produtos, colocando-os lado a lado com outros doces tradicionais de outras regiões do país”, explicou Pedro Sarai-va. E acrescentou que foi também uma forma de fazer com que as pessoas da região “sentissem orgulho, estando assim a trabalhar também a identidade do território”.

Também o lançamento da mascote, o “Palhinhas”, e do livro de banda desenhada sobre a “História da Palha de Abrantes” constituíram um marco nesta promoção do evento junto dos mais novos e da identidade territorial. E, disse Pedro Saraiva, ainda bem que funcionou, “às vezes as coisas demoram a arrancar”, e que se tornou numa das figuras do evento, principalmente pela ligação que faz com os mais novos, ou seja, com o futuro.

Dia 21, quando começar a feira deste ano, Pedro Saraiva revelou ao Jornal de Abrantes que vai entrar como entra todos os anos, com uma pontinha de orgulho por ser um evento que ficou. E acrescentou que é este um dos objetivos destas associações, como a Tagus, criar “coisas” que ficam para a região e para as gentes da região. E de-pois concluiu a dizer que, naturalmente, ir a um evento de “coisas doces” é sempre qualquer coisa que as pessoas gostam muito.

Pedro Saraiva, técnico coordenador da TAGUS em 2002

Feira de Doçaria 2003 realizada no Jardim do Castelo (Créditos foto: Tagus)

Este ano, 2022, os ícones da doçaria nacional, voltam a reunir-se em Abrantes, novamente na Esplanada 1.º de Maio, de 21 a 23 de outubro. Esta 20.ª Feira Nacional de Doçaria Tradicional acrescenta várias novidades, como o pastel de amêndoa de Vimioso, o viriato e as rotundinhas de Viseu, cartuchos de amêndoa e impérios de Cernache do Bonjardim, licor templário de Tomar, trouxas de Malveira, são um reforço da doçaria alentejana com Portalegre, o dom rodrigo e doces finos do Algarve, com a associação de produtores, vinda de Lagos a marcar forte presença. E ainda da Região Autónoma da Madeira o regresso do bolo do caco.

A adicionar inovações os doceiros trazem, ainda, variações dos doces tradicionais de Abrantes a estrear na Feira da Doçaria, como os éclairs Palha de Abrantes e as natas Palha de Abrantes, que se juntam ao fardo, aos bombons e macarrones de Palha de Abrantes, ao pastel tigelada e à tigelada de abóbora. Bolachas de amêndoa e mel, nata de crocante de bolacha, bombom de marmelo e doce de dióspiro são outros dos novos produtos a abrilhantar este delicioso evento.

A feira conta com diversas atividades paralelas, entre elas, demonstrações culinárias, oficinas de doces sob a conhecimento da Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes e do Agrupamento de Escola Verde Horizonte de Mação, música, animação infantil, exposições e desporto. Pela primeira vez será realizada uma caminhada de Liga Portuguesa Contra o Cancro que se junta a um trail noturno e um passeio de pasteleiras. 

Partilhar nas redes sociais:
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - dezembro 2022
Jornal de Abrantes - dezembro 2022
PUB