Município Abrantes
PUB

Zahara: Revista de História Local com 20 anos de publicações regulares (c/áudio)

5/08/2022 às 15:28

A entrar nos 20 anos de edição da revista Zahara, o que representa 39 edições da revista de história local, há mais uma mão-cheia de histórias para ler e guardar.
Neste número 39 o Museu Ibérico de Arqueologia e Arte (MIAA) está em destaque na revista pela importância do edifício em si (Convento de S. Domingos) e pelas coleções que disponibiliza aos visitantes, quer seja a coleção municipal de arqueologia e arte sacra, o espólio de Maria Lucília Moita ou a coleção de arqueologia da Fundação Estrada.

José Martinho Gaspar, diretor da revista editada pela Palha de Abrantes, destacou os textos publicados nesta edição e revelou um desejo grande ter poder ver gente jovem a bater à porta para publicar textos.

E depois adiantou que esta revista, sendo de história local, ou usos e costumes, não é feito por um grupo de investigadores ou historiadores. Tem contributos de todas as pessoas que queiram deixar registo de temas que podem ter a ver com património material ou imaterial, com costumes ou com pessoas de cada um dos concelhos que abrange.

O Centro de Estudos de História Local de Abrantes (CEHLA) abraça os concelhos de Abrantes, Sardoal, Mação, Constância, Gavião e Vila Nova da Barquinha.

José Martinho Gaspar apresentou a edição e disse que Teresa Aparício foi em busca dos barqueiros. Um que ainda trabalha em Constância, pago pela Câmara Municipal, e outros que perduram nas memórias de quem usava as barcas para passar o Tejo. Fosse na Barca da Amieira, Ortiga/Alvega, Barca do Pego ou Rio de Moinhos, sem esquecer que na década de 50 havia também um barqueiro em Água das Casas.

João Filipe, de Ortiga, aprofundou a figura do Vitorino Fernandes, contando algumas histórias de “um homem que respeitava o rio, mas que o rio também o respeitava.”

Dulce Figueiredo escreveu sobre a biblioteca de Sardoal, que está em obras e a comemorar 25 anos.
Mário Jorge Sousa escreve sobre uma rua de 200 metros e era uma das ruas mais importantes de Sardoal. Em 1961 foi lá que o meu pai montou a tipografia. Trata-se da atual Rua Gil Vicente.

Na Comenda, Gavião, está a renascer o “Clube Castelanense”. De acordo com Jorge Branco só perduravam memórias dos pais sobre este clube. Com os arquivos do Governo Civil de Portalegre houve a recuperação da informação e com os estatutos de 1950 um grupo de habitantes da Comenta refundou esse clube.

Carlos Grácio, de Belver, escreve sobre gastronomia, ligando a gastronomia à área geográfica e cultural da freguesia, porque tem algumas especificidades. Vai buscar as características ao Alentejo com as migas, mas vai ao Tejo buscar a lampreia e a sopa de peixe e à beira os maranhos, muito embora estas sejam apresentadas de uma forma diferente.

José Manuel de Oliveira Vieira foi conhecer melhor os esquecidos do republicanismo abrantinos. Nomeadamente de Manuel Fernandes pequeno é um desses nomes. E com uma referência a espólio valioso desta época que existe em casa do filho.

Joana Margarida Carvalho dá a conhecer a salsicharia MF de Rio de Moinhos. Conta se a forma como se faziam, e fazem, os enchidos nesta freguesia e tem um conjunto de imagens como se faziam as matanças dos porcos.

Joaquim Candeias da Silva apontou baterias para o Rei D. Manuel foi o rei que mais dias passou em Abrantes. “O paço real no século XVI era aqui nesta praça (edifício da Câmara Municipal)”. É um artigo sobre este período em que, por causa da peste, o rei passou mais de 200 dias em Abrantes.

Maria Lurdes Vicente e Vasco Marques entraram na aldeia da Queixoperra para fazerem uma reflexão sobre o homem e o trabalho na terra. “E se o hipermercado nos deixar de fornecer alimentos onde os vamos buscar?” Foi a reflexão que ambos deixaram.

José Martinho Gaspar, diretor Zahara

No final da apresentação da revista o vereador da Câmara de Mação, Vasco Marques, deixou o apelo para se ter atenção ao património imaterial que se vai perdendo e para a necessidade de ser salvaguardado.

Miguel Borges, presidente da Câmara Municipal de Sardoal, apontou a uma necessidade, cada vez maior, de haver um registo em papel para perdurar no tempo. É que, de acordo com o autarca, a geração de hoje tem tudo em digital, em discos, em nuvens que podem ser perdidas.

Manuel Jorge Valamatos, presidente da Câmara de Abrantes, destacou o confronto com o futuro e com uma aposta no arquivo em forma digital, aludindo ao serviço do Arquivo Municipal Eduardo Campos. Depois vincou que “o Município vai continuar a apoiar esta edição da revista.”

Galeria de Imagens

Partilhar nas redes sociais:
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - agosto 2022
Jornal de Abrantes - agosto 2022
PUB