Município Abrantes
PUB

Estudo: Aves migratórias em declínio pela ação do Homem e alterações climáticas

25/06/2022 às 18:50
Créditos: Wilder

As aves migratórias estão em “grande declínio” em todo o mundo, devido à modificação da paisagem pelos seres humanos, à caça e às alterações climáticas, alerta-se num estudo hoje divulgado.

Da responsabilidade da universidade britânica East Anglia (UEA), com a colaboração de universidades portuguesas, o estudo hoje divulgado indica que o declínio das populações tem sido maior nas espécies que migram para áreas com mais infraestruturas humanas (como estradas, casas, linhas elétricas ou moinhos de energia eólica), com mais pessoas e com mais elevados níveis de caça.

A degradação do habitat, nota-se no estudo, também tem contribuído para a redução das aves migratórias a longo prazo, além das alterações climáticas.

Os investigadores identificaram 16 ameaças às aves migratórias induzidas pelo Homem, incluindo a perturbação e colisão das aves com infraestruturas, ou a conversão da terra para uso humano.

Foram estudadas 103 espécies de aves migratórias, incluindo espécies em rápido declínio, como a rola-brava e o cuco-comum. E foram calculadas variáveis como perda de habitat ou alterações climáticas, nos locais de reprodução e noutras áreas, bem como as tendências das populações de aves.

Claire Buchan, da Escola de Ciências Biológicas da UEA, afirmou, citada num comunicado da universidade: "Verificámos que a modificação humana da paisagem nas faixas de distribuição das aves na Europa, África e Ásia Ocidental está associada ao declínio do número de mais de 100 aves migratórias afro-euro-asiáticas”.

A responsável salientou que a exposição das aves a ameaças de “mortalidade direta”, como serem eletrocutadas, caçadas ou mesmo atingidas por um veículo, nas zonas de invernada, está a refletir-se na diminuição da população de aves reprodutoras.

Segundo os autores do estudo, identificar os locais onde as aves estão mais expostas pode ajudar na tomada de decisões para prevenir os maiores perigos.

Participaram também na investigação a Universidade do Porto e a Universidade de Lisboa, e a Sociedade Checa de Ornitologia (República Checa).

Lusa

Partilhar nas redes sociais:
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - agosto 2022
Jornal de Abrantes - agosto 2022
PUB