ESPECIAL COVID-19

Abrantes: BE debate problemas do rio Tejo na presença da líder parlamentar

2017-12-02

Carlos Matias, deputado distrital, Mariana Mortágua, líder parlamentar, Armindo Silveira vereador do BE em Abrantes 

O Tejo e os problemas ambientais que assolam o rio foram hoje o mote de uma sessão promovida pelo Bloco de Esquerda, em Abrantes, que contou com a presença de Mariana Mortágua, líder parlamentar do BE.

O Parque Tejo, em Rossio ao Sul do Tejo, foi o local escolhido pelos bloquistas e a sala encheu para ouvir Joana Pascoal (BE), deputada da Assembleia Municipal de Abrantes, Armindo Silveira, vereador eleito a nível local, Carlos Matias, deputado eleito pelo distrito de Santarém e Mariana Mortágua. Os responsáveis falaram sobre os problemas ambientais e focaram as suas atenções no rio Tejo.

“A Celtejo é um grande inimigo do Tejo”, afirmou Carlos Matias à Antena Livre, dando conta que “é preciso coragem política de afrontar o lobby das celuloses. E nem o Governo, nem o Ministro do Ambiente até ver, tiveram coragem para isso”.

“A estratégia do Governo é empurrar o problema com a barriga. Sabe-se que a Celtejo está a fazer investimentos no sentido de reduzir a poluição”, referiu o deputado. Contudo, lembrou que a empresa tem protelado a finalização dos investimentos no tratamento dos seus resíduos: “primeiro prometeu que era no final do ano passado, depois já era até maio que estava tudo resolvido e depois já era até setembro. Agora estão a adiar a audição no Parlamento para dezembro, sempre à espera que as coisas se vão resolvendo por si próprias”.

“Infelizmente está a nu o problema. O período de seca também agravou a situação, tornou o quadro muito mais vulnerável. E, portanto, tem-se empurrado o problema com a barriga, não se resolve o mesmo, porque ele continua evidente”, fez notar o responsável.

Questionado sobre o chumbo da esquerda parlamentar à proposta do PSD de transferir parte das verbas do Metro do Porto e do Pólis da Caparica para o aumento da fiscalização do Tejo, Carlos Matias considerou a proposta do deputado Duarte Marques (PSD), eleito pelo distrito de Santarém, “sem sentido”. E justificou: “o deputado Duarte Marques faz um “número” com uma proposta sem sentido para esconder a sua responsabilidade politica numa situação gravíssima de poluição do Tejo, que há um ano que podia estar resolvida”.

“Duarte Marques ainda não explicou porque é que há um ano votou contra um projeto de resolução do BE para impor à Celtejo uma redução do fluxo de poluição e o PSD votou contra”, acusou Carlos Matias.

“O Ministro do Ambiente reconheceu que as medidas que tomou no início do ano tinham ficado aquém e os resultados tinham ficado aquém daquilo que ele esperava. Devo dizer hoje, que poderiam ter ficado aquém daquilo que ele esperava, mas não ficaram aquém daquilo que nós esperávamos, porque as medidas que o Ministro tomou em janeiro são manifestamente insuficientes e estão muito aquém daquilo que deveria ser feito”, reforçou o deputado, referindo que “ o que deveria ser feito era parar a poluição da Celtejo e isso o ministro até ver não teve a coragem política de o fazer”.

Por sua vez, Armindo Silveira lembrou à Antena Livre que as causas ambientais continuam a ser “uma bandeira do BE” e que “ nesta altura estão identificados muitos focos de poluição e existe uma inércia da parte do Governo, da parte das autarquias, da parte das juntas de freguesia e da parte das instituições oficiais”.

Para o vereador, para acabar com a poluição é necessária uma grande mobilização pública. “Porque está visto que não basta haver mortandade de peixes, não basta o caudal estar invariável, não basta aquilo que nós já constatámos e que está provado - tem que haver da parte da população uma mobilização para que force o poder político a agir contra os poluidores e contra aqueles que sistematicamente continuam a agredir o Tejo e tudo aquilo que tem a ver com o rio”.

Armindo Silveira lembrou que já pediu ao executivo camarário de Abrantes, de maioria PS, que tome uma posição política acerca do que se passa no rio: “os concelhos a jusante estão a ser afetados e eu como vereador da câmara já fiz essa intervenção tentando que a Câmara de Abrantes tome uma posição desfavorável de reprovação pelas politicas do nosso conterrâneo de Vila Velha de Rodão”.

Por último, Mariana Mortágua referiu que a sua vinda à cidade de Abrantes foi para lembrar “ o esforço e a luta do BE no combate a esta chaga que se faz muito sentir nesta zona com poluição no rio Tejo”.

A líder parlamentar lembrou que o BE “tem um deputado eleito no distrito” e que elegeu “um novo vereador em Abrantes, com trabalho já muito provado e que toda a gente o reconhece na militância contra a poluição do rio Tejo. É para fazer essa ligação entre o Parlamento e o trabalho local que estamos aqui para dar visibilidade a uma causa que é importantíssima”. 

2017-12-02