Antena Livre
Deseja receber notificações?

Santa Margarida: Exército investe 4.3 ME em Santa Margarida em Centro de Capacitação Tática, Simulação e Certificação

10/04/2024 às 20:54

O Exército vai investir 4,3 milhões de euros (ME) na construção de um Centro de Capacitação Tática, Simulação e Certificação (CCTSC) no Campo Militar de Santa Margarida, em Constância (Santarém) no âmbito da estratégia de modernização, foi hoje anunciado.

“Nós temos previsto, no âmbito do programa e da estratégia de inovação no Exército (…) e, relativamente aqui a Santa Margarida, edificar o seu Centro de Capacitação Tática e de Simulação, um projeto de fundo que pretendemos ver implementado com financiamento da Lei de Programação Militar (LPM) num valor de cerca de 04 ME”, disse à Lusa o chefe de Estado-Maior do Exército (CENE), à margem do Dia da Brigada, que foi hoje ali assinalado.

Segundo o general Mendes Ferrão, o CCTSC constitui-se num “catalisador” da “modernização e transformação da Força Terrestre, contribuindo para a introdução de meios e tecnologias no Exército”, e para o “desenvolvimento das suas capacidades e para a preparação, aprontamento e certificação” a partir de Santa Margarida.

“Vamos requalificar infraestruturas que aqui temos e pretendemos com isso ter aqui sistemas de simulação do mais avançado que existe no mundo, numa parceria, quer com a Academia, quer com a indústria, que pretendemos também seja internacionalizado, isto é, tirando partido de toda esta infraestrutura que aqui temos, disponibilizar também para os nossos aliados”, declarou.

Congregando em si a coordenação da simulação no Exército, o CCTSC “assumirá a responsabilidade de desenvolver a área vocacionada para o treino com recurso a meios de simulação”, com o objetivo de “incrementar a eficácia operacional de forças, através da conjugação de áreas vocacionadas para a simulação virtual, construtiva e real”, indicou à Lusa fonte do Exército.

O CCTSC, acrescenta, irá ainda “constituir-se como um elo da cadeia de desenvolvimento de protótipos, sistemas e equipamentos”, projeto entendido como “fundamental” para, “com base na experiência de militares e forças do Exército, contribuir com informação adequada para o desenvolvimento final de tecnologias passíveis de aplicação militar” terrestre.

“Pretendemos com isso (CCTSC) não só adquirir uma capacidade de simulação que nos confere mais realismo ao treino, mas também mais economia e segurança, com ganhos de eficiência, na gestão dos recursos, e na eficácia, na qualidade das tropas que queremos ter preparadas”, vincou o CEME.

Por outro lado, notou o general Mendes Ferrão, o objetivo é que o futuro Centro de Capacitação Tática, Simulação e Certificação “sirva não só as forças do Exército português mas sirva também como mecanismo de atração para treinar forças de outros países”.

Com uma área de 67 quilómetros quadrados (km2), o Campo Militar de Santa Margarida “constitui uma excelente área para o treino operacional, dos baixos aos mais elevados escalões, para a execução de exercícios nacionais e internacionais de grande envergadura, assim como para a possibilidade de treinar, de modo simulado ou real, permitindo, inclusivamente, a realização de fogos reais com uma ampla tipologia de sistemas de armas”, destacou o CEME na sua intervenção, no âmbito do Dia da Brigada.

Tendo feito notar que a Brigada Mecanizada constitui-se como um “instrumento essencial no sistema de forças nacional”, e que “é a grande unidade que materializa as forças pesadas do Exército Português (…) essenciais para a condução de operações de alta intensidade”, Mendes Ferrão aludiu aos acontecimentos no Leste da Europa e à “inerente necessidade de adequação” para afirmar que “a preparação dos Exércitos requer ambição, mas também capacidade para antevisão” de cenários.

“O recém-criado Centro de Capacitação Tática, Simulação e Certificação, localizado neste Campo Militar, será o nosso verdadeiro laboratório de ensaio de táticas, técnicas e procedimentos, que pretendemos que seja também um hub de inovação nacional e internacional, em parceria com a Indústria e a Academia”, vincou.

Lusa

Partilhar nas redes sociais:
Partilhar no X