Região: Fórum Ribatejo reúne para refletir sobre o território

10/05/2022 às 15:59

Realizada no passado dia 2 de abril, nas instalações do Grupo Académico de Danças Ribatejanas, em Santarém, a 36.ª Reunião/Assembleia do Fórum Ribatejo debruçou-se sobre um conjunto de temas “de especial interesse regional”.

Desde logo, sobre o “Plano de Salvaguarda da Classificação Patrimonial da bateira das Caneiras”, cujo processo de classificação foi desenvolvido, em 2016, pela empresa “Via Educação”.

Do referido Plano, o Fórum irá participar em parceria com o Município de Santarém, Comunidades Intermunicipais, ESES e Instituto Politécnico de Santarém, no “Projeto Pesca”, através de Nuno Domingos e Teresa Serrano (responsável do I.P.S. para a temática avieira. O Plano abarca ainda a “Casa dos Saberes do Tejo”, a implementar nas Caneiras e cujo estudo se encontra já efetuado, no “Concurso de Fotografia” sobre o tema “As artes e saberes dos avieiros” e ainda na criação de “Prémio de investigação” sobre as vivências avieiras para o qual foi criado um grupo composto por Aurélio Lopes, Teresa Serrano, Ernesto Jana e Luís Nazaré.

No que concerne aos Encontros de Historiadores do Ribatejo” (ação que se verifica há mais de uma década, englobando historiadores e etnógrafos de diversos concelhos da região), foi apresentada a proposta da realização do próximo Encontro para a segunda quinzena de outubro, em Salvaterra de Magos. O tema desta ação (ainda em proposta) será os Museus do Ribatejo.

De acordo com o grupo responsável pela iniciativa (Nuno Prates, Roberto Caneira e Lurdes Veiga) perspetiva-se, para 2023, a realização do respetivo encontro anual, desta feita, em Torres Novas.

Foi igualmente decidido realizar um Colóquio sobre o Ribatejo, em parceria com o Correio do Ribatejo, em data ainda a definir mas “mais para o fim do ano de 2022”.

Temas que poderão e deverão constar dos assuntos a desenvolver serão o Tejo (sustentabilidade ambiental, agricultura, economia, pesca, turismo, etc.) e, naturalmente, a vertente cultural associada. Mas, igualmente, a rodovia: a Alta Velocidade e as questões candentes da Linha do Norte; a existência no Ribatejo de muitos migrantes estrangeiros: efeitos sobre a cultura e a vida das comunidades locais; a ausência de intervenção cultural do Estado, nomeadamente no apoio à atividade cultural não profissional.

O grupo de trabalho é composto por Carlos Matias, Ludgero Mendes, Ernesto Jana, Nuno Silva e Nélio Rodrigues.

Especial relevo mereceu ainda o CDR - Centro de Documentação do Ribatejo, a funcionar há dois anos na Biblioteca Municipal de Torres Novas onde se encontra a disposição de investigadores, professores e alunos e onde existe um cada vez maior acervo de livros e dados documentais sobre o Ribatejo, numa comparticipação de diversas instituições regionais e da grande maioria dos municípios da região.

Realizado em 20 de novembro de 2021 em Vila Nova da Barquinha,o “III Encontro de Cultura Popular do Ribatejo” (bem como a concomitante III edição da Mostra de Livros sobre a Cultura do Ribatejo), foram objeto de análise e avaliação.

De realçar, igualmente, a publicação (em parceria) por parte do Fórum e do Município da Barquinha, do Livro das Atas respeitantes ao II Encontro, realizado em 2019.

Da reflexão realizada sobre o mesmo, foi ainda decidido que a IV edição do E.C.P.R., a realizar em 2023, terá como tema central o Património Material.

 

Partilhar nas redes sociais:
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - novembro 2022
Jornal de Abrantes - novembro 2022
PUB