ESPECIAL COVID-19

TEJO: Arlindo Marques (ProTejo) apela à participação na manifestação em prol do rio - COM SOM

2017-02-17

Arlindo Marques, membro do ProTejo e guardião do rio Tejo, como se assume, registou na semana passada um vídeo dos focos de poluição no rio. Passado uma semana, refere que a manifestação, convocada pelo ProTejo, é das poucas soluções que restam.

O vídeo tornou-se viral nas redes socais e na comunicação regional e nacional devido às imagens captadas. Na filmagem é percetível as águas tingidas de negro do rio Tejo a entrar nas águas do rio Zêzere, em Constância.

Arlindo Marques admitiu que antes de captar as imagens nunca pensou que a situação fosse tão “terrível” e “chocante” como se veio a verificar.

“Para além da poluição que se via a olho nu nunca esperei que o drone captasse aquelas imagens. Aquela diferença que se verifica entre a água que corre do Tejo para o Zêzere, é como fosse o “preto” a entrar no “branco”. Eu fiquei chocado com o que vi, aquilo que era terrível”, referiu.

Arlindo Marques disse que as amostras realizadas pela a Agência Portuguesa do Ambiente (APA)“são para tapar os olhos” e não são elucidativas da verdadeira realidade.

“Por lei, as amostras devem ser feitas em vários locais. O ano passado, vi uma carrinha da APA na praia fluvial de Ortiga a fazerem recolhas onde se desce com os barcos. Claro que ali, a meu ver, nada vai aparecer nas amostras, porque ali está a Ribeira de Eiras, dali para o rio Tejo são 500 metros, como é que é possível fazerem recolhas ali?”, questionou indignado.

“ Esta semana, fui contactado para estar numa reunião com a APA e fiquei muito desiludido com isto tudo. Nessa mesma reunião, foi-me dito que não encontravam nada de significativo ao que eu respondi que não encontravam porque não queriam (…) Basta irem a Vila Velha de Rodão, colocarem uma sonda e tirarem diretamente [as amostras] onde estão os tubos da fábrica. Não tem nada de saber. As análises têm de sair com picos muito altos ao nível de poluição”, salientou.

Recode-.se que os deputados do PS, PSD, BE e CDP-PP, eleitos por Santarém, já colocaram questões ao Governo, nomeadamente ao ministro do Ambiente, sobre a poluição no Rio Tejo, tendo questionado as análises que foram feitas à água nos últimos dias, quais os locais, os resultados, as conclusões e respetivas consequências.

 

Dia 4 de março, às 15h00, o Movimento pelo Tejo – ProTejo, anunciou a realização de uma manifestação de protesto contra a poluição do rio Tejo e seus afluentes, junto ao cais de Vila Velha de Rodão.

Arlindo Marques salientou que os autarcas das câmaras ribeirinhas “deverão se associar à manifestação”, apoiando as populações na sua deslocação até Vila Velha de Rodão.

“Das câmaras ribeirinhas quem não for está a ser cúmplices de quem poluí (…) Há muitas pessoas que se querem deslocar e a cedência de um pequeno autocarro era suficiente para irmos mostrar a nossa indignação, para que isto se resolva. Porque com as intervenções da APA nada se vai resolver”, aludiu, acrescentado que “não há nada como o povo unido”.

Créditos:DR

 

2017-02-17