ESPECIAL COVID-19

Covid-19: Hospitais do Médio Tejo e de Santarém com meia centena de doentes internados com SARS-CoV-2 (C/ÁUDIO)

2022-01-05

Os serviços hospitalares do distrito de Santarém reforçaram esta quarta-feira o apelo aos utentes para que não se dirijam aos Serviços de Urgência para confirmar testes positivos à Covid-19. É que a quantidade de cidadãos que fazem testes rápidos de antigénio para detetar o SARS-CoV-2 avançam depois para as urgências no sentido de confirmar estes “diagnósticos”.

Esta afluência, em grande número, está a aumentar a pressão sobre os hospitais por isso, a aumentar os tempos de espera nas urgências criando entraves aos doentes que acorrem aqueles serviços por emergências médicas.

“Não é conveniente que vão às urgências porque se pretendem uma segunda testagem não a fazemos e recomendamos que fiquem em casa, para evitar contactos e para se protegerem”, salientou Casimiro Ramos.

Os hospitais explicam que em caso de ausência de sintomas à Covid-19, o utente deve optar por outros meios de consulta, como utilizar o SNS24.

Casimiro Ramos, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, salientou, à margem da assinatura de um protocolo com o Hospital Distrital de Santarém, que os doentes Covid-19 em cuidados intensivos têm estado estabilizados nas últimas semanas, entre os 5 e os 6. Já os doentes internados em enfermaria têm tido um acréscimo. Têm sido 15 – 16 nas últimas semanas, mas nos últimos três dias já ultrapassou os 20 internamentos.

Ainda de acordo com o presidente do Conselho de Administração do CMHT há um aumento considerável de testes feitos para toda a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. “Temos tido pedidos de lares, câmaras municipais e empresas”, destacou o administrador hospitalar vincando que a maior parte dos testes feitos, 85 a 90%, são infeções com a variante Ómicron.

Quanto aos internados Casimiro Ramos revelou que a maior parte dos internados têm vacina e os que estão em cuidados intensivos não têm vacina.

Casimiro Ramos, presidente CHMT

A diretora do serviço de Nefrologia do CHMT, Ana Vila Lobos, fez questão de referir que em relação aos doentes internados com Covid-19 nem todos são internados por via do vírus. Há casos em que os doentes já estão internados por outras patologias e que depois são contagiados com o SARS-CoV-2 e acabam por ter de ser isolados, aí sim, por causa do coronavírus.

Ana Vila Lobos deu mesmo um exemplo desta semana com um doente internado em Nefrologia e que teve de ser isolado por ter sido detetada a infeção com o SARS-CoV-2.

Ana Vila Lobos, diretora serviço Nefrologia do CHMT

Ana Infante, presidente do Conselho de Administração do Hospital de Santarém, revelou que estão 32 doentes internados em enfermaria com Covid-19, entre os quais estão duas crianças.

Nesta altura do Hospital de Santarém não tem unidade de cuidados intensivos aberta, apesar de estar preparada para abrir em caso de necessidade. Ana Infante vincou que em caso de necessidade recorrem ao Centro Hospitalar do Médio Tejo se algum doente agudizar e necessitar de cuidados intensivos.

Os doentes internados no hospital de Santarém incluem vacinados e não vacinados, havendo a nota da dirigente que numa primeira fase os doentes internados eram não vacinados.

Ana Infante, presidente Hospital Santarém

Ainda o Hospital Distrital de Santarém (HDS) anunciou ontem a suspensão das visitas aos doentes internados, como medida temporária e “preventiva e devido ao aumento do número de pessoas infetadas com covid-19 verificado a nível nacional”.

Em comunicado, o HDS afirma que apenas se manterão as visitas nos serviços de Obstetrícia, Pediatria e Bloco de Partos.

Nestes casos, é autorizada a permanência de visitante durante 30 minutos, “respeitando as regras de segurança recomendadas pela Direção-Geral da Saúde, nomeadamente a desinfeção das mãos, o distanciamento físico, o uso de máscara e a apresentação de resultado negativo de um teste de antigénio (TRAg), realizado até 48 horas antes, ou teste PCR, realizado até 72 horas antes da visita”.

Na Obstetrícia, apenas é permitido um visitante, na Pediatria, um acompanhante e o outro progenitor, e, no Bloco de Partos, um acompanhante.

2022-01-05