ESPECIAL COVID-19

Medicina Intensiva do CHMT tem equipamento de monitorização único no país

2020-07-31

O Serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) recebeu um equipamento de monitorização, com tecnologia de vanguarda, único no país.

Segundo explica o CHMT em comunicado” trata-se de um aparelho, denominado HemoSphere, que com recurso a inteligência artificial, através de um algoritmo, faz a interpretação de dados recolhidos nos doentes críticos, permitindo antecipar procedimentos para reverter eventuais alterações da situação clínica dos referidos doentes”.

Na mesma nota é pormenorizado que esta plataforma de monitorização avançada, “ao permitir antecipar momentos críticos, facilita a decisão dos profissionais de saúde face à situação clínica do doente crítico. A diversidade de perfis e de configurações de cuidados e a medição dos parâmetros hemodinâmicos avançados, recolhidos e interpretados pela HemoSphere, ajudam à tomada de decisões pro-ativas em diversas situações clínicas que ajudam a estabilizar o doente”.

Nuno Catorze, diretor do Serviço de Medicina Intensiva, do Centro Hospitalar do Médio Tejo, reconhece a vantagem deste equipamento na diferenciação do Serviço, que incrementa "a capacidade de monitorização hemodinamica, complementando os equipamentos já existentes, permitindo uma maior versatilidade e abrangência das competências da medicina intensiva, nomeadamente na neuromonitorização e Cardiovascular“.

Ainda segundo o diretor do Serviço de Medicina Intensiva afirma, ainda, que "a inteligência artificial permitirá, neste caso, aumentar a diferenciação técnica auxiliando na decisão clínica".

Nuno Catorze sublinha que "as novas tecnologias são um instrumento (ou um legado) fundamental na aprendizagem e ensino da medicina, nomeadamente em cuidados intensivos, o que trará mais valias à qualidade assistencial, apoiando os jovens médicos numa decisão mais acertada".

2020-07-31