Antena Livre
Deseja receber notificações?

Incêndios: Comandante nacional da Proteção Civil quer manter tendência de redução de fogos

15/05/2024 às 14:56

O comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), André Fernandes, afirmou hoje que o objetivo é manter a redução das ignições de incêndios, cujas consequências têm um maior impacto com as alterações climáticas.

Falando numa conferência de apresentação do reforço da União Europeia da capacidade de combate aos incêndios florestais de 2024, André Fernandes recordou que Portugal tem vindo a reduzir a média de ignições diárias no período mais crítico nos últimos cinco anos, quando tinha valores muito superiores a países com áreas maiores, como a Espanha ou França.

“Um país como Portugal com mais de 200 ignições diárias é um absurdo. O dispositivo é tanto ou mais eficaz, quanto mais se reduzir as ignições” e constitui “um desígnio nacional diminuir o número de incêndios rurais” pelo que é necessário também baixar o número de ocorrências, afirmou André Fernandes.

O comandante nacional salientou que “os portugueses têm mostrado mais comportamento preventivo” e as autoridades têm atuado, com várias detenções de suspeitos de ignições, o que tem justificado a descida sistemática do número de ignições.

“Em Portugal, uma grande percentagem dos incêndios têm origem humana, seja dolosa ou por descuido” e a redução também se deve “às campanhas feitas”, como os portugueses a perceberem “que têm de fazer parte da solução” de proteção do território.

Por outro lado, 95% das novas ignições “são resolvidas na primeira hora e meia”, com áreas mais reduzidas de incêndio, um sinal de que o dispositivo, cuja “dimensão já está consolidada”, também “é eficaz e evita que as ocorrências se transformem em grandes ocorrências”.

Mas, em paralelo, as “alterações climáticas têm causado um outro impacto”, porque “qualquer ignição pode potenciar gerar um grande incêndio”.

Por isso é necessário “diminuir comportamentos de risco”, com a manutenção de estratégias de prevenção, como a limpeza de terrenos, faixas de proteção e ações de sensibilização permanente em relação às populações.

No ano passado, num grande incêndio em Castelo branco, existiram “progressões de dois quilómetros por hora”, o que é “muito rápido” e “coloca desafios novos” às equipas de combate.

“As condições meteorológicas são favoráveis a que a ignição seja mais intensa, porque liberta mais energia” e o “dispositivo de combate tem que se tornar mais especializado” no combate aos vários tipos de incêndios, explicou André Fernandes.

As medidas de ordenamento do território só terão efeito daqui a muitos anos e existe aquilo que André Fernandes considerou ser a “armadilha do combate”.

“Aquilo que não arde num ano transita para o outro”, pressionando o dispositivo de combate, disse.

No âmbito do reforço do combate aos incêndios, fonte da União Europeia explicou na reunião de hoje que há um aumento dos meios a disponibilizar entre países no quadro da estratégia dos anos anteriores, com Portugal a acolher dois aviões anfíbios ligeiros ao abrigo desse dispositivo supra-nacional.

Para Portugal virão bombeiros da Letónia e da Finlândia para receberem formação, estando previsto que sejam chamados para combate o fogo, ao lado dos portugueses.

A estratégia destas equipas é “partilhar experiências” e auxiliar os países do norte a lidar com os incêndios, um problema que se tem agravado por causa das alterações climáticas.

O objetivo, explicou André Fernandes, é que esses bombeiros do norte da Europa “conheçam outras técnicas de combate”. Por isso, agora é “recebê-los bem e pô-los a trabalhar”.

Lusa

Partilhar nas redes sociais:
Partilhar no X
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - julho 2024
Jornal de Abrantes - julho 2024
PUB