ESPECIAL COVID-19

Maria do Céu Antunes “amadrinha” Estações Náuticas do Turismo do Centro (ATUALIZADA C/VÍDEO)

2020-07-29

A praia fluvial de Fernandaires com a sua paisagem natural e a estação de wakeboard em pano de fundo foi o local escolhido para o Turismo do Centro de Portugal apresentar as Estações Náuticas do Centro de Portugal. Esta apresentação, que aconteceu no dia 29 de julho, na margem da albufeira do Castelo do Bode contou com a presença de Maria do Céu Antunes, Ministra da Agricultura, que antes das funções governativas era presidente da Câmara de Abrantes e representante dos municípios no Turismo do Centro.

E a cerimónia pretendeu ligar, com a presença da responsável da pasta da Agricultura, o mundo rural com as suas potencialidades a uma estação vocacionada para a atração de turistas nacionais e estrangeiros.

A rede Estações Náuticas de Portugal conta atualmente com 24 Estações Náuticas certificadas e quatro em processo de certificação, distribuídas por todo o continente, no litoral e interior. A Região Centro lidera o número de Estações Náuticas certificadas, com oito, envolvendo 337 parceiros.

E o Castelo de Bode é o número um mundial com cinco cable park's de wakeboard certificados, e que deixa Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro, consciente de que está a ser feito um grande trabalho promocional de toda a região que abrange 100 concelhos. Isso ficou vincado quando Pedro Machado disse que em Fernandaires estava o presidente da Câmara da Nazaré e uma vereadora de Vagos. “Isto que estamos a fazer é coesão nacional”, afirmou o responsável perante a plateia que tinha um grupo de jornalistas e influencers que ao longo de três dias vão “andar” a desfrutar o Centro de Portugal. E depois Pedro Machado fez questão de dizer que “este é o luxo do século XXI. Segurança, tempo, distanciamento físico (…) podemos deixar os nossos filhos à vontade. É a capacidade de podermos gerar nos destinos turísticos esta perceção de segurança, de bem-estar, de lazer que nós encontramos exatamente neste local”.

E Pedro machado destacou ainda a “importância de, em tempos difíceis, sermos mais criativos e conseguirmos novos produtos com os recursos já existentes. Podemos construir um produto turístico de qualidade, envolvendo diferentes agentes, numa oferta integrada do território.”

Pedro Machado, presidente do Turismo do Centro de Portugal

A ministra da Agricultura explicou que poderia estar ali o titular da pasta da Economia ou até do Turismo, mas o setor primário está cada vez mais presente nos nossos dias. E isso, disse a governante, ficou muito visível com a pandemia.

Maria do Céu Antunes disse que a aposta do Plano Regional de Desenvolvimento Turístico 2020-2030 apresentado pela Região Centro tem uma componente territorial muito forte e que para esta ambição “muito contribui o setor agrícola, que permite, a quem visita o Centro do país, desfrutar dos sabores típicos da região, seja através da comida, seja através dos vinhos (parte do Pilar estratégico deste Plano Regional de Desenvolvimento Turístico para os próximos dez anos). Aqui, os cinco sentidos são convocados numa experiência única e que, não tenhamos dúvidas, será parte da estratégia da retoma do crescimento socioeconómico. O turismo, a agricultura e esta aliança farão parte de um percurso desafiante em que recuperaremos os números de um crescimento pré-COVID e em que tudo faremos para os consolidar e reforçar".

E adiantou a necessidade de “aliar o turismo a outros setores, como a agricultura, de forma a garantir mais pessoas na região e, desse modo, divulgar as potencialidades e os produtos endógenos da região. Devemos promover o turismo interno e trabalharmos juntos para sairmos desta crise mais fortalecidos e com capacidades adicionais”. Não é de estranhar, por isso, que as associações de desenvolvimento local da região, TAGUS, ADIRN e Pinhal Maior integrem este projeto.

Maria do Céu Antunes, Ministra da Agricultura 

O presidente da Câmara Municipal de Vila de Rei, Ricardo Aires, como anfitrião referiu que “enquanto parceiro da Estação Náutica de Castelo do Bode, Vila de Rei consegue comprovar a enorme relevância da oferta turística náutica no seu Concelho, que atrai milhares de visitantes e contribui, de forma integrada, para dinamizar os serviços locais, restaurantes, alojamentos, empresas do ramo do turismo, associações locais e todas as entidades que, direta ou indiretamente, saem valorizadas com este aumento do número de visitantes”. Ricardo Aires frisou que é altura da albufeira dar contributos para esta região, a mesma albufeira que submergiu sete aldeias do concelho quando foi construída.

 Ricardo Aires, presidente da Câmara Municipal de Vila de Rei 

Esta sessão contou ainda com a apresentação da Plataforma Nautical Portugal (www.nauticalportugal.com), pelo Fórum Oceano, que dispõe de toda a informação sobre as 24 Estações Náuticas certificadas no nosso País.

A Estação Náutica (EN) é uma rede de oferta turística náutica de qualidade, organizada a partir da valorização integrada dos recursos náuticos presentes num território, que inclui a oferta de alojamento, restauração, atividades náuticas e outras atividades e serviços relevantes para a atração de turistas e outros utilizadores, acrescentando valor e criando experiências diversificadas e integradas. Desta forma, a EN apresenta-se como uma plataforma de cooperação entre atores identificados com um território e que asseguram a oferta de um produto turístico.

As oito Estações Náuticas certificadas no Centro de Portugal são Aveiro, Castelo do Bode, Estarreja, Ílhavo, Murtosa, Oeste (esta em vários núcleos), Ovar e Vagos. Além destas, outras sete Estações Náuticas estão em processo de certificação na região. 

Texto de Jerónimo Belo Jorge

Fotos e vídeo de Taras Dudnyk

2020-07-29