Dia Mundial da Abelha: O sector do mel precisa de mais apicultores e mais jovens (C/ÁUDIO)

20/05/2022 às 14:55

Esta sexta-feira, 20 de maio, assinala-se o Dia Mundial da Abelha, proclamado pela ONU em em 2017 e que teve a primeira “comemoração” em 2018.

As abelhas são fundamentais para a manutenção da biodiversidade e essenciais à vida na terra como também constituem uma fonte de rendimento.

Mas, cada vez mais, as abelhas enfrentam perigos crescentes. Desde a destruição da floresta pelos incêndios, às alterações climáticas e, mais recentemente, o maior perigo que são as vespas asiáticas.

Em Mação, com sede em Queixoperra, a Melbandos é uma associação que junta apicultores dos concelhos de Mação, Vila de Rei, Sertã e Proença-a-Nova. Tem cerca de oito dezenas de associados e dez mil colónias. A associação, que integra a Federação Nacional dos Apicultores de Portugal presta serviços de rastreio de doenças nos apiários, formação em sanidade apícola e maneio produtivo das colónias, extração e embalamento de mel [tem em funcionamento uma central meleira], promove a aquisição do mel aos associados e tem ainda a venda de mel embalado.

O presidente da Melbandos reforçou depois os problemas que são causados pela vespa asiática, que destrói colónias inteiras das “nossas” abelhas meleiras. E esse é um problema crescente em Portugal e com incidências claras na zona de Mação, mesmo com todas as armadilhas que os apicultores espalham para proteção das suas colmeias.

Sendo a abelha o inseto fundamental para a polinização, e consequentemente, pela manutenção da vida na Terra, Fernando Monteiro defende mais apoios das instâncias europeias e vê nas AIGP [Áreas Integradas da Gestão de Paisagem], que por acaso até estão com apresentações públicas no concelho de Mação, uma ferramenta para fazer crescer este setor.

Fernando Monteiro, presidente da Melbandos

O mel na região, de Mação, continua a ser categorizado como de Rosmaninho, Urze e Multiflora, mas na verdade todo o mel tem mais tipos de pólen do que um único. Fernando Monteiro explicou que não temos monoflora e que mesmo no mel de urze, o mais escuro, encontramos pólen de outros tipos de plantas. Já o multiflora permite juntar dezenas de plantas. E é, apontou, nesta multiplicidade que se vê a importância das abelhas na nossa vida.

O Dia Mundial das Abelhas assinala-se a 20 de maio, desde 2018. Foi proclamado pela ONU para lembrar a importância da polinização e dos seus diferentes agentes para um desenvolvimento sustentável.

Há uma frase célebre de Albert Einstein que diz: “Se as abelhas desaparecerem da face da Terra, a humanidade terá apenas mais quatro anos de existência. Sem abelhas não há polinização, não há reprodução da flora, sem flora não há animais, sem animais, não haverá raça humana.”

Partilhar nas redes sociais:
PUB
Capas Jornal de Abrantes
Jornal de Abrantes - dezembro 2022
Jornal de Abrantes - dezembro 2022
PUB