ESPECIAL COVID-19

Regresso da escola com normalidade e casos mais complicados estão a ser identificados pelas autarquias (C/ÁUDIO)

2020-04-16

O segundo período do ano letivo 2019/2020 tinha terminado de forma abrupta e, de certa medida, com os alunos a fazerem trabalhos com recurso às novas tecnologias. Neste sentido, e com as medidas de contenção da pandemia o terceiro período arrancou esta terça-feira, dia 14 de abril, da mesma forma. A diferença é que governo, escolas e autarquias tiveram três semanas para organizarem a forma de fazer chegar a escola a casa das crianças e jovens.

Mantêm-se os conteúdos programáticos a ser enviados com recurso a plataformas digitais e nos casos em que as famílias não tenham condições para ter computador ou tablet, ou ainda internet as autarquias estão a dar uma mãozinha. Através do programa “Miúdos Digitais” da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT) ou por meios próprios, as câmaras municipais identificaram os casos mais problemáticos para poderem ajudar no empréstimo dos computadores.

Em Abrantes, Celeste Simão, vereadora com o pelouro da Educação diz que o município se preparou para esta nova realidade e que entro o programa próprio de apetrechar todos os alunos do básico com computadores e o programa da CIMT o arranque está a correr dentro da normalidade. Há casos de acesso à internet que estão a ser identificados com as escolas no sentido de ser dado acesso idêntico a todas as crianças.

Em Constância o arranque do período aconteceu de forma normal afirma Sérgio Oliveira. O presidente da Câmara Municipal diz que está a aguardar um processo de aquisição de alguns computadores através da CIMT, mas no global a proximidade que existe com o agrupamento de escolas levou a um arranque dentro da normalidade destes tempos.

Em Mação, Vasco Marques, também explica o arranque do ano com uma dificuldade acrescida porque há um conjunto de 45 alunos que não têm acesso à internet e, nesta altura, excluídos deste processo digital. E há 84 situações de necessidades de equipamento informático. O município de Mação e a CIMT estão a estudar a aquisição de dispositivos de internet móvel para solucionar esta dificuldade.

Em Sardoal o vereador Pedro Rosa diz que o período começou com a normalidade possível, porquanto a escola programou a difusão dos conteúdos atempadamente. O autarca revela que foi feito o diagnóstico do parque informático e de acesso à internet. O vereador vinca que todos os alunos estão a trabalhar com os computadores pessoais ou da escola.

Em Vila de Rei, segundo o presidente da Câmara Ricardo Aires, o agrupamento escolar arrancou esta quarta-feira com as aulas à distância, depois de reuniões entre os diretores de turma e os encarregados de educação por videoconferência. O Município de Vila de Rei tem disponíveis 34 computadores portáteis e 48 tablets para poder colocar à disposição dos alunos que deles necessitem. E dentro de uma semana e meia haverá mais 34 computadores para os alunos, embora primeiro ainda tenha de haver o relatório do agrupamento de escolas para perceber onde os vão colocar. Ainda falta é o mapa de cobertura de rede de internet no concelho.

Já em Vila Nova da Barquinha a vereadora Marina Honório diz que o período abriu bem, com empenho do agrupamento e do corpo docente. Também no concelho foram identificados as condições de todos os alunos para perceber quais as situações de maior dificuldade. A vereadora diz que os pedidos de apoio têm surgido e são analisadas pelo agrupamento para ser cedido equipamento informático. A autarquia está à espera que cheguem mais 24 computadores, no âmbito da CIMT, para as situações que sejam mais prementes.

Resta dizer que na próxima semana também arrancam os conteúdos programáticos através da televisão, a chamada telescola que vai ser difundida pela RTP Memória. Este canal vai chegar a todo o país e vai disponibilizar conteúdos do 1.º ao 10.º ano de escolaridade.

Notícia relacionada: Covid-19: Terceiro período arranca com aulas à distância

2020-04-16