Pesquisa Rápida

Salvador Sobral canta Jacques Brel em concertos em fevereiro

2019-11-28

O músico português Salvador Sobral prepara três concertos em fevereiro nos quais interpretará repertório do cantor belga Jacques Brel, "o maior intérprete de todos", disse o cantor à agência Lusa.

Os concertos decorrerão a 07 de fevereiro no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no dia 08 na Casa da Música, no Porto, e no dia 10 no Teatro Aveirense.

"É o maior desafio da minha curta carreira. O Jacques Brel é o maior intérprete de todos, com aquela intensidade que sentia as letras que escrevia, aquela teatralidade. É o que eu desejo conseguir fazer", explicou Salvador Sobral.

O músico propôs-se fazer estes concertos como uma "homenagem com a maior das humildades".

"Seria prepotente tentar fazer uma coisa igual. Se eu conseguir tocar nos calcanhares do que ele fez fico feliz", afirmou.

Em palco com Salvador Sobral estarão Samuel Lercher (piano), Nelson Cascais (contrabaixo), Joel Silva (bateria), André Santos (guitarra), Inês Vaz (acordeão), Diogo Duque (trompete e flautas) e Ana Cláudia Serrão (violoncelo).

É uma formação em octeto que se juntará em janeiro numa residência de trabalho. "É uma coisa que nunca fiz, juntarmo-nos todos, virgens de ideias para uma sessão de improvisação", de onde sairão os arranjos para o espetáculo.

Até lá, Salvador Sobral diz que continuará embrenhado no universo criativo do artista belga, "a ler biografias sem parar, a decorar as letras".

"Ele é um poeta, um letrista incrível, adoro as histórias que ele inventa, identifico-me mesmo. Nunca fez um 'playback' ao vivo, fala completamente sem filtros", afirmou.

Salvador Sobral prepara estes concertos num ano em que lançou o segundo álbum em nome próprio, "Paris, Lisboa", em março passado.

Na altura, em entrevista à agência Lusa, Salvador Sobral já dizia que Jacques Brel é, "enquanto performer", o seu "maior ídolo".

"Ele sente aquilo de uma maneira e fica todo a suar, todas as canções é como se fosse a última. Tem uma parte muito performativa, teatral, muito dramática a cantar as coisas e eu gosto disso. Eu gosto de juntar o teatro e a música quando é ao vivo e o Jacques Brel é incrível nesse aspeto", referiu.

Em outubro passado, Salvador Sobral lançou ainda o álbum de estreia do quarteto Alma Nuestra, que formou em 2016 com o pianista Victor Zamora, aos quais se juntaram depois André Sousa Machado, na bateria, e Nelson Cascais, no contrabaixo.

"Alma Nuestra", que revisita clássicos da música cubana e sul-americana, com uma sonoridade jazzística, terá edição internacional em 2020 pela Warner Espanha.

Depois de dois concertos de apresentação esta semana em Lisboa, o quarteto Alma Nuestra atuará no domingo no Teatro Sá da Bandeira, no Porto.

Nascido em Lisboa em 1989, Salvador Sobral editou o primeiro álbum, "Excuse Me" em 2016, cruzando referências de uma vida, do jazz de Chet Baker aos clássicos brasileiros de Dorival Caymmi.

Em 2017 tornou-se no primeiro português a vencer o Festival Eurovisão da Canção, com a música "Amar pelos dois", composta pela irmã, Luísa Sobral.

Ainda nesse ano, Salvador Sobral apresentou-se na banda Alexander Search, projeto inspirado na poesia inglesa de Fernando Pessoa em que os músicos, tal como o poeta, assumem personagens, e lançou o disco "Excuse me ao vivo".

 

2019-11-28
Terça, dia 10 de Dezembro de 2019
PUB
Bild Corp - Web + Vídeo
Jornal de Abrantes dezembro 2019
PUB
Mercar