Abrantes: CRIA celebra 40 anos sendo um “testemunho de uma sociedade mais humana”

24/03/2017 às 00:00

Nelson Carvalho, presidente da direção, Maria de Lourdes Jorge, sócia fundadora e Maria do Céu Albuquerque, presidente da CMA

O Centro de Recuperação e Integração de Abrantes (CRIA) celebrou 40 anos de existência na quinta-feira. A cerimónia de aniversário, realizada na seda da instituição, contou com homenagens aos sócios fundadores, aos colaboradores da casa e com a presença de muitos convidados que se quiseram associar ao momento.

Em declarações à Antena Livre, Nelson Carvalho, presidente da direção do CRIA, destacou o papel dos sócios fundadores: “Hoje quisemos dar um sentido de homenagem aos nossos fundadores. É preciso que as pessoas tenham a coragem de fazer rutura com a rotina do quotidiano, foi o que estas pessoas fizeram”.  

“Há 40 anos, o CRIA não existia. Eles decidiram que era necessário romper com a não existência e lançar uma coisa que era boa para a sociedade. Hoje, nós estamos a trabalhar para o CRIA, mas num caminho que já foi aberto. Temos de seguir estes exemplos e inventar novos caminhos para a sociedade”, salientou.

“40 anos na vida de uma instituição não é demasiado. O CRIA é uma instituição jovem. Mas 40 anos já com história, já com muita coisa para contar. Já se deu muito testemunho de intervenção social, do trabalho para se fazer uma sociedade melhor”, fez notar o responsável.

Com olhos postos no futuro da instituição, Nelson Carvalho fez referência a alguns projetos cruciais para o desenvolvimento do CRIA. Começou por referir o CAO - Centro de Atividades Ocupacionais – que quer ver nascer na vila de Mação.

“Nós estamos para já a lidar com projetos com a Câmara Municipal de Mação na criação de um polo constituído por um lar e por um Centro de Atividades Ocupacionais. O nosso lar é muito pequeno, tem 20 lugares, que estão preenchidos e temos lista de espera. Portanto precisamos de aumentar a resposta. No CAO vamos ter 70 lugares”, avançou.

“Estamos a consolidar projetos novos a RLIS (Rede Local de Intervenção Social) e o CLDS 3G, que começaram em 2015. Temos ainda alguns edifícios que foram lançados há alguns anos, que ficaram semifeitos e queremos concluir”. Como por exemplo, “o pavilhão da hipoterapia, que é fundamental, para termos mais uma resposta terapêutica e mais condições”, referiu.

Nelson Carvalho salientou a importância do papel da instituição, referindo que muitos dos valores que norteiam o CRIA não predominam no mundo atual: “Penso que estamos num tempo muito difícil, um tempo dominado pelo sistema financeiro, pela ganância e pela quase exclusiva predominância do lucro como motivação para a sociedade se organizar”. Já o CRIA é o“ testemunho de uma sociedade mais humana, onde as pessoas se relacionam não só com base na vontade de enriquecer e na ganância do consumo. Mas é o olhar uns para os outros no sentido de como é que podemos ter uma vida melhor e a ter uma comunidade mais feliz”.

Por último, o presidente da direção considerou que ainda que está muito por fazer no que toca ao trabalho da inclusão: “Nós trabalhamos para uma sociedade inclusiva, porque de facto ela cria caminhos de exclusão. Nós temos de corresponder de forma muito enérgica, criando oportunidades de integração, ideias e ações que conduzam a uma sociedade mais inclusiva”.

“Criar a ideia que todos pertencemos à sociedade”, é o objetivo para o responsável, que pretende que “a população que está ao cuidado do CRIA se sinta cada vez mais incluída. Cada vez mais capaz de partilhar, de participar na vida da comunidade com cidadãos cada vez mais sensíveis para se relacionarem com pessoas com características especiais, mas que têm imensa qualidade e que são capazes de fazer muita coisa”, finalizou.

Antes do jantar comemorativo, foi descerrada a placa que assinala os 40 anos de existência da instituição e onde estão inscritos todos os nomes dos sócios fundadores. A cerimónia de aniversário contou com a presença de Tiago Leite, diretor distrital da Segurança Social, Maria do Céu Albuquerque, presidente da CMA e Maria de Lourdes Jorge, sócia fundadora do CRIA.

O CRIA vai assinalar os seus 40 anos ao longo do ano de 2017 com um programa diversificado já iniciado este mês de março com a realização do FNATES e do ato comemorativo do aniversário.

Programa:

Abril – Atividades dinamizadas pela Comissão de Utentes;

Maio – Mês do Centro de Atividades Ocupacionais (dia 5 de maio ateliê de pintura onde a população vai ter oportunidade de ver a qualidade dos utentes da instituição)

Junho – Dia 13 a 18 – Integração nas Festas da Cidade de 2017

Julho – 3ª Edição do Projeto “Cantinho Móvel”; Celebração do 10º Aniversário do Lar Residencial;

Agosto – Atividades dos Utentes do Lar Residencial;

Setembro – Atividades com utentes e família,

Outubro – Ação de Sensibilização dirigida à Comunidade Educativa: “Desenvolvimento normal da criança – Sinais de Alerta”; Apresentação dos projetos do CRIA;

Novembro – Semana Aberta do Centro de Reabilitação Profissional – II Jornadas de NeuroDesenvolvimento do CRIA.

Reportagem radiofónica para ouvir na Antena Livre esta sexta-feira, às 18h00.

 

 

Partilhar nas redes sociais: